Michael Jackson Forever
Olá MJFan. Seja Bem-vindo ao Fórum Forever Michael. Agradecemos a sua visita e pedimos que se registre para ter acesso a todo conteúdo do nosso Fórum.
Ao Registrar-se você também poderá participar enviando seus comentários e novos posts.
O registro é rápido e fácil.

Qualquer dúvida entre em contato.


At: Adm: Forever Michael!

Michael Jackson, o Investidor

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Michael Jackson, o Investidor

Mensagem por joanajackson em Qui Out 02, 2014 8:59 pm




Matéria originalmente publicada na edição de julho de Época NEGÓCIOS
Rei morto, rei posto? Não no caso de Michael Jackson (1958-2009). No ano passado, o patrimônio dos herdeiros do rei do pop engordou US$ 160 milhões, graças a diversos produtos e investimentos com a assinatura do cantor, como os espetáculos Immortal e One, do Cirque du Soleil. Em 2014, as cifras geradas são ainda maiores, com o lançamento, em maio último, do álbum póstumo Xscape, que traz oito faixas inéditas de Michael, como a contagiante Love Never Felt So Good.


Para o editor da revista Forbes Zack O’Malley Greenburg, tanto sucesso financeiro não foi só uma questão do talento musical. No livro Michael Jackson, Inc: The Rise, Fall and Rebirth of a Billion-Dollar Empire (“Michael Jackson Inc., A ascensão, a queda e o renascimento de um império bilionário”), O’Malley Greenburg mostra que Michael Jackson foi um astuto investidor ao longo de toda a carreira. “Quanto mais me aprofundei na apuração do livro, mais me surpreendi com a habilidade de Michael de fechar bons negócios”, diz o autor. Em 1985, Michael adquiriu por US$ 47,5 milhões o catálogo musical dos Beatles, então propriedade da companhia australiana ATV. No livro, O’Malley Greenburg lista os principais atributos de Michael Jackson para construir o seu império financeiro.


Começar cedo
Aos 10 anos de idade, Michael Jackson pedia aos adultos, como o cantor Marvin Gaye e o executivo Barry Gordy, dono da gravadora Motown, informações sobre o funcionamento da indústria da música. “Ele ficou fascinado quando lhe explicaram o que era o direito autoral”, diz O’Malley Greenburg.
Senso de oportunidade
Michael Jackson era obsessivo na caça a catálogos musicais desvalorizados, mas promissores. Foi o ex-beatle Paul McCartney quem o aconselhou a comprar os direitos de músicas em baixa cotação. “Fiz isso na aquisição da obra de Buddy Holly”, disse Sir Paul ao jovem cantor, durante um jantar em 1981. O primeiro investimento de porte de Michael – na banda funk Sly & The Family Stone, por US$ 500 mil, em 1984 – se pagou rapidamente quando o cantor Iggy Pop regravou Family Affair, no ano seguinte.

Fome de negócios
“Ele tinha bons instintos: ‘Mais, mais, melhor, melhor’”, diz Sandy Gallin, administrador das finanças de Michael Jackson. Segundo O’Malley Greenburg, o jeito de negociar de Michael era sempre o mesmo: não importa o quanto oferecessem, ele sempre queria mais.

Não dar ouvidos ao expert medroso
Quando Michael negociava a compra do catálogo dos Beatles, o empresário e amigo David Geffen disse que era caro demais. Ele se manteve irredutível. “Esse catálogo não tem preço. ELE É MEU”, escreveu num bilhetinho ao advogado, John Branca. Hoje, o catálogo (que em 1995 sofreu a fusão com o banco musical da Sony, num acordo entre o cantor e a gravadora) valeria US$ 2 bilhões.
Retroceder nunca, render-se jamais
Nos anos 80, o cantor ficou conhecido por não arredar pé em suas demandas financeiras. Em 1983, o então CEO da Coca-Cola Roger Enrico ofereceu a Jackson US$ 1 milhão para patrocinar a marca. “Quero US$ 5 milhões”, disse Michael. Diante da recusa de Enrico, o cantor levou a oferta à PepsiCo, que aceitou o valor. A parceria entre ele e a marca de refrigerantes durou uma década.
Curiosidade

Michael Jackson
tinha curiosidade insaciável. Ele estudou vorazmente a biografia de Walt Disney. O animador era o seu parâmetro nos negócios. No último ano de vida, Michael planejava uma parceria musical com o rapper Diddy. “Ele conhecia rap e hip-hop como se tivesse sido criado no Bronx”, diz o rapper. “Michael era uma esponja de conhecimento”, diz Greenburg.
Não se deixar abater

No início dos anos 90, Michael Jackson quis comprar a Marvel, mas ficou receoso diante da situação financeira precária do estúdio de animação. Desistiu da compra, para arrependimento posterior. “Foi um bom negócio que Michael deixou passar. Mas nunca se abateu diante dos erros”, diz O’Malley Greenburg.
Investir na marca pessoal
“Michael foi o primeiro superstar pop a transformar seu nome em marca: de roupas, tênis, materiais esportivos”, diz O’Malley Greenburg.


Fonte: Época Negócios
avatar
joanajackson
Moderador

Era Preferida : Todas em especial Bad e Dangerous
Data de inscrição : 09/03/2011
Mensagens : 6004
Sexo : Feminino
Idade : 38
Localização : Brasil
<b>Agradecido</b> Agradecido : 27

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum